Home Page
Viagens Independentes
Pequenos Grupos
Cursos de Idiomas
Africa do Sul
Ásia
Mediterrâneo
Países
Painel BrasilBackPackers
Entre em Contato
 
 

Rua General Furtado Nascimento, 740 - Conjunto 116

São Paulo - SP
CEP 05465-070
Fone: (11) 3026-9292
Fax: (11) 3021-7960
 

Envie seu email para receber as últimas novidades sobre expedições de aventura
 
 
CAMBOJA
 

Dados Gerais

Nome oficial: Reino do Camboja (Royaume du Cambodge / Roat Kampuchea)

Capital: Phnom Penh

População: Aproximadamente 10,9 milhões de habitantes.

Área: 181 035 km2

Idioma oficial: Khmer

Religião: Budismo

Sistema de governo: Monarquia Parlamentarista

Geografia: O território cambojano, localizado no Sudeste Asiático, é coberto por florestas tropicais e cortado por três grandes cadeias de montanhas. Faz fronteira com o Laos, Tailândia e Vietnã. Sua área de floresta é enorme, de aproximadamente 98 mil km2, e sua capital, Phnom Penh, possui 920 000 habitantes.

Clima: O clima no Camboja é geralmente quente e úmido durante todo o ano. A temperatura se mantém por volta dos 30o C durante o dia, e à noite cai para uma média de 20o C. Como na maioria dos países tropicais, as chuvas são fortes e rápidas, e o sol aparece em seguida. De junho à outubro, as monções do sudoeste causam fortes chuvas, que transbordam o Rio Mekong, fertilizando extensas regiões de planície.

As estações climáticas são três: a estação mais fresca acontece entre novembro e fevereiro, a mais quente acontece entre março e junho e a estação mais úmida é de junho à outubro. Qualquer época do ano é boa para visitar o Camboja, sendo que cada uma possui suas vantagens específicas.

Economia: O Camboja é um país extremamente pobre, e sua economia subdesenvolvida ainda sofre os efeitos dos intermináveis anos de guerra. A renda per capita não passa dos US$300, e o setor agropecuário ainda é responsável por 51% do PIB. Na agricultura, o país tem o arroz como produto principal, seguido do milho e da cana de açúcar. O setor industrial, ainda muito pouco desenvolvido, resume-se à indústria alimentícia, de vestuário e algumas outras, nenhuma de grande expressividade internacional.

Voltagem: 220V. O fornecimento de energia é um pouco irregular, por isso é aconselhável incluir uma lanterna em sua lista de bagagem.

Vistos

Cidadãos brasileiros necessitam de visto mas não há representação consular. O visto é adquirido no desembarque, e é necessário possuir uma foto 5x7. Estas informações estão sujeitas à mudanças sem aviso prévio, portanto aconselhamos que o viajante se informe sobre a documentação necessária vigente no momento. A embaixada do Camboja mais próxima fica em Washington, nos EUA, no seguinte endereço:

Embaixada do Camboja

(202) 726 7742 4500,

16th Street NW, Washington D.C.

20011, USA.

Fax: (202) 726 7742

Chegada

Se a sua viagem não inclui o transfer do aeroporto ao hotel, assegure-se de possuir em seu voucher o nome e endereço corretos do nosso hotel / ponto de encontro. É relativamente fácil chegar ao hotel sem a ajuda de nossos guias.

Para chegar até seu hotel em Phnom Penh, tomar um táxi do aeroporto é sem dúvida a melhor opção. Os táxis públicos de Phnom Penh são seguros, tranquilos e convenientes. O preço de uma corrida de táxi do aeroporto até o hotel não deverá ultrapassar os US$7.

Dinheiro

A unidade monetária oficial do Camboja é o Riel. Extra-oficialmente, porém, os dólares norte-americanos são geralmente aceitos por todo o país, e são a melhor opção para seus gastos durante a viagem. Certifique-se de que suas cédulas não estejam rasgadas ou danificadas, pois estas não serão aceitas. Nós recomendamos que você traga seus dólares em notas de pequena denominação para facilitar os procedimentos de uso e de troca. Adquirir alguns Riel's será útil para cobrir pequenos gastos como táxis, garrafas d'água e lanches. Ao comprar alguma coisa com dólares, você certamente receberá Riel de troco. Travellers cheques são difíceis de serem trocados, e os cartões de crédito têm seu uso restrito aos grandes hotéis. A cotação aproximada do Riel (outubro de 1999) é de US$1 equivalente à 3 890 Riel's. Esta cotação está sujeita à grandes flutuações, portanto é aconselhável consultar seu jornal financeiro para informações atualizadas.

Transporte Local

Existem algumas restrições com relação à segurança em alguns trechos rodoviários do país, portanto pode ser mais aconselhável tomar um vôo interno para cobrir estas distâncias. Um exemplo disso é a viagem entre Phnom Penh e Siem Reap.

Dentro dos limites urbanos, no entanto, o uso do transporte local é bastante conveniente, especialmente as moto-táxis em Angkor. Quando necessário, estaremos usando mini-ônibus particulares para garantir conforto e segurança.

Viajando no Camboja

Viajar pelo Camboja é diferente de viajar por qualquer outra nação asiática. O Camboja não possui uma economia forte, de desenvolvimento recente. Também não possui a obstinação do Vietnã. O Camboja é um país que está emergindo de um longo período de escuridão, e que agora começa a se recuperar, a procurar sua posição no mundo. As pessoas ainda não sabem se este é apenas um breve período de paz entre guerras, ou se já é possível fazer planos para o futuro e iniciar a reconstrução de suas vidas. O Camboja perdeu muito de suas tradições e de sua cultura, mas felizmente, o país possui um passado glorioso, que ainda permite a existência de esperança, e que também lhes confere força e um pouco mais de auto-confiança.

O Camboja é um país extremamente pobre. Pelos últimos 25 anos o país esteve envolvido em guerra civis. Grande parte dos recursos governamentais foram usados para fins militares. Facilidades básicas praticamente não existem. A iluminação pública na capital é mínima, e os cortes de eletricidade são regulares. A maioria das ruas não é asfaltada, o sistema de recolhimento de lixo também inexiste. A crise de abastecimento atinge níveis críticos, faltam alimentos e o número de pedintes tem aumentado muito.

Antes de embarcar para Phnom Penh você deve se preparar para testemunhar tais condições de vida, pois não há como viajar ao Camboja sem ter de lidar com situações difíceis. Phnom Penh é lotada, quente, poluída, cheia de carros e motos e muito, muito pobre.

Sua viagem para o Camboja requer preparo, mas estes problemas não devem fazê-lo desistir de conhecer o país. O Camboja possui uma história riquíssima e uma população extremamente amistosa. É um país especial, que deve ser visitado por viajantes conscientes de suas riquezas e de suas deficiências. Viajantes especiais. Pela nossa experiência, podemos certamente afirmar: vale a pena.

Religião

O Budismo Teravada é a religião principal no Camboja. É considerada mais como uma filosofia de vida do que como uma religião propriamente dita. Segundo ela, nós devemos levar uma vida modesta, encarando os bens materiais como obstáculos que nos impedem de alcançar a verdadeira felicidade. Os budistas crêem em reencarnação, que é quando suas ações nesta vida determinam as dificuldades da próxima. Portanto, ao levar uma vida simples e altruísta, cada um pode reencarnar num nível evolutivo superior. Se esta atitude moderada e desprendida se mantém por muitas e muitas vidas, então a pessoa poderá alcançar a felicidade eterna - o Nirvana.

Cedo pela manhã você poderá observar as pessoas dando alms (alimentos e presentes) para os monges. Esta é uma das muitas maneiras que as pessoas têm de adquirir "créditos" para evoluírem em sua próxima vida. Todo garoto passa pelo menos alguns meses vivendo em um monastério, alguns chegam a passar anos. Os monges normalmente são pessoas muito amigáveis e acessíveis. Os mais jovens costumam ter aulas de inglês, e ficarão ansiosos com a oportunidade de praticá-lo com você! Atente para o fato de que as mulheres não podem tocar, e nem sequer entregar algo diretamente a um monge. O jeito certo de uma mulher entregar qualquer coisa a um monge é pedir para que um homem a entregue ou coloque num pequeno bolso da vestimenta do monge.

Quando for visitar um templo, você deverá se vestir de modo discreto e retirar seus sapatos antes de entrar. Não fique em pé de modo que seus dedos apontem na direção do Buda e nem sente-se com suas pernas esticadas. Os pés são vistos com certa repugnância pelos budistas, por isso devem estar sempre curvados para dentro - nunca apontando para alguém. Dispensável dizer que não se deve apontar nada com o pé, mas sim com sua mão ou dedo da mão. A cabeça tem um forte significado simbólico, portanto nunca toque um cambojano na cabeça. Toda imagem de Buda é sagrada, e por isso você não deve apoiar-se nela quando for tirar uma foto, e nem desrespeitá-la de forma nenhuma.

História

O país tem sua origem no antigo Império Khmer, uma monarquia absolutista budista que floresce entre os séculos IX e XII na região onde ficam atualmente a Tailândia, o Laos e o sul do Vietnã. Em 1863, a nação torna-se protetorado da França, que preserva a estrutura do Estado, mas privatiza a terra (que era de propriedade do rei) e estimula o comércio.

A influência francesa permanece intocada durante a maior parte da ocupação japonesa na II Guerra Mundial. Em março de 1945, porém, os japoneses depõem as autoridades francesas e fazem do Camboja um país independente. A situação só dura até outubro, quando o rei Norodom Sihanouk admite o restabelecimento do protetorado. O breve período de autonomia sob a tutela do Japão estimula o surgimento de um forte movimento nacionalista, liderado pelo Partido Comunista do Camboja, fundado em 1951. Pressionado, o Rei Sihanouk adere à campanha anti-colonial. Em novembro de 1953, a França concede a independência ao Camboja.

Em 1955, Sihanouk abdica em favor do pai, volta a usar o título de príncipe e cria a Comunidade Socialista Popular. Seu partido vence todas as eleições para a Assembléia Nacional de 1955 a 1966, e Sihanouk dirige a nação com amplo poder. Enfrenta, entretanto, a oposição de esquerda. A partir de 1964, com o surgimento do Khmer Vermelho, o governo depara com uma rebelião comunista. O território cambojano é utilizado como refúgio pelas tropas norte-vietnamitas e por guerrilheiros comunistas do Vietnã do Sul. Por esse motivo, os EUA bombardeiam o país, e torna-se cada vez mais difícil manter o Camboja à margem da Guerra do Vietnã.

Guerra do Camboja: Sihanouk insiste na neutralidade e é deposto em março de 1970 pelo marechal Lon Nol, seu antigo primeiro-ministro, num golpe de estado apoiado pelos EUA. No exílio, Sihanouk forma o Governo Real de União Nacional do Camboja (Grunc), em parceria com o Khmer Vermelho. Em outubro do mesmo ano, Lon Nol proclama a República, sendo eleito presidente em 1972. Sem o apoio das áreas rurais, o regime de Lon Nol tem sua autoridade limitada aos centros urbanos, que vão sendo cercados pelos guerrilheiros. Finalmente, em 1975, o Khmer Vermelho toma a capital, Phnom Penh, quase sem resistência. Sihanouk é declarado chefe de Estado, mas o Khmer Vermelho detém, de fato, o poder. Em janeiro de 1976, o nome do país é mudado para Kampuchea. Em abril, Sihanouk renuncia e o Grunc é dissolvido. Pol Pot, líder máximo do Khmer Vermelho, torna-se primeiro-ministro. Seu governo faz milhares de presos, desloca à força a população urbana para fazendas coletivas e praticamente elimina a indústria nacional. As conseqüências são trágicas: estima-se que o genocídio comandado pelo Khmer tenha causado de 800 mil a 2,5 milhões de mortes.

Invasão Vietnamita: O regime aproxima-se da China e adota uma política agressiva em relação ao Vietnã, apoiado pela União Soviética. Em 1979, o Camboja é invadido por tropas vietnamitas, que instalam no poder dissidentes cambojanos liderados por Heng Samrin. O Khmer Vermelho passa a praticar uma guerra de guerrilhas contra as forças do Vietnã e o governo de Samrin, que enfrenta também a oposição da Frente de Libertação Nacional do povo Khmer, chefiada pelo ex-primeiro-ministro Son Sann, apoiado pelos EUA. Ocorre uma fuga em massa de cambojanos para a Tailândia. Em 1980, a ONU reconhece o Khmer Vermelho como legítimo representante do Camboja. Em 1982, as forças oposicionistas formam uma aliança, cujos dirigentes são Sihanouk (presidente), Son Sann (primeiro-ministro) e um dos líderes do Khmer Vermelho, Khieu Samphan (vice-presidente). A aliança recebe a aprovação da China e dos EUA. A URSS continua auxiliando o governo de Samrin.

Acordo de paz: A China anuncia, em 1987, o apoio a um governo de coalizão, liderado por Sihanouk, desde que as tropas vietnamitas abandonem o Camboja. Chineses e soviéticos pressionam as partes em conflito pelo acordo. Em 1989, os vietnamitas deixam o território cambojano e, no ano seguinte, as quatro facções (o governo, Sihanouk, o Khmer Vermelho e o grupo de Son Sann) aceitam a formação da Autoridade Transitória da ONU no Camboja. Em 1991 assinam um acordo de paz em Paris. Seus líderes voltam a Phnom Penh, mas Khieu Samphan, do Khmer Vermelho, é quase linchado pela população e foge do país. Cerca de 400 mil refugiados cambojanos retornam da Tailândia, enquanto o Khmer Vermelho reinicia os combates.

Em 1993, o partido de Sihanouk vence as eleições parlamentares e forma um governo com os membros do antigo regime pró-vietnamita, liderado por Hun Sen. Uma nova Constituição é aprovada em setembro, e Sihanouk é coroado rei. Em outubro, a Assembléia Nacional indica o príncipe Norodom Ranariddh e Hun Sen como os dois primeiros-ministros. O Khmer Vermelho, mesmo sofrendo deserções, redobra as ações no decorrer de 1995.

A coalizão governamental é instável e, em julho de 1997, Hun Sen dá um golpe de Estado, pondo fim a quatro anos de coabitação entre inimigos. Três dias de bombardeio deixam pelo menos 43 mortos. Milhares de pessoas saem da capital e mais de 20 mil vão para a Tailândia. O príncipe Ranariddh foge para Paris. Organismos de defesa dos direitos humanos denunciam saques, torturas e assassinatos.

Morte de Pol Pot: Depois de passar 18 anos escondido na selva, o líder do Khmer Vermelho, Pol Pot, reaparece em julho de 1997. O grupo guerrilheiro, reduzido a poucas centenas de integrantes, prende Pol Pot e o condena à prisão perpétua, conforme imagens exibidas num vídeo no mesmo mês. Sua reclusão - sob a acusação de mandar matar vários ex-companheiros e suas famílias - é vista como uma manobra política para a recuperação da imagem pública do Khmer. Em abril de 1998, Pol Pot morre na prisão, supostamente de ataque cardíaco. Informações posteriores apontam para um possível suicídio diante da campanha dos EUA para que fosse julgado por crimes contra a humanidade.

Últimas Notícias: Em fevereiro de 1998, Hun Sen aceita um plano de paz, proposto pelo Japão, para permitir a volta de Ranariddh e a realização de eleições parlamentares. O Partido do Povo Cambojano (KPK), de Hun Sen, vence a eleição em julho, conquistando 41,4% dos votos. O Partido da Frente Nacional Unida por um Camboja Cooperativo, Pacífico, Neutro e Independente (Funcipec), do príncipe Ranariddh, obtém 31,7% e o Partido Sam Rainsy (PSR), 14,3%. Observadores internacionais consideram o pleito válido, mas a oposição denuncia fraudes e, em setembro, organiza protestos contra os resultados. Grupos de direitos humanos estimam em mais de 200 o total de manifestantes mortos em choques com a polícia.

Novo Governo: Em novembro, é formada uma nova coalizão governamental, sustentada por 107 dos 122 deputados da Assembléia Nacional. Hun Sen mantém-se no cargo de primeiro-ministro e Ranariddh passa a presidir a Assembléia. O PSR permanece na oposição.

Em 1999, cresce a pressão dos EUA para que os líderes remanescentes do Khmer Vermelho sejam julgados por um tribunal internacional. A prisão e rendição de alguns deles entre o final de 1998 e meados de 1999 - em especial Ta Mok, líder do Khmer desde 1997, e Kang Kek Leu, o Duch, chefe do principal centro de extermínio - enfraquece ainda mais o grupo, considerado praticamente extinto. Hun Sen se opõe à proposta norte-americana, alegando riscos de novos conflitos no país. Mas admite um julgamento no Camboja, com a participação de juristas estrangeiros.

Asean: Em março de 1999, o rei Sihanouk indica os 61 integrantes do novo órgão legislativo do país, o Senado. Sua criação, aprovada pela Assembléia Nacional, era uma das condições para a admissão do Camboja na Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean).

Palavras e Expressões Úteis

O idioma Khmer é bastante difícil e confuso, especialmente para estrangeiros ocidentais. Durante muitos anos o francês foi a segunda língua do país, mas o inglês agora está tomando seu lugar. A pronúncia do Khmer requer alguma prática e, principalmente, costume, mas nós selecionamos algumas palavras e expressões para lhe ajudar em sua viagem. As palavras estão escritas de modo a facilitar a pronúncia, e não obedecem à gramática local.

Olá - Sua S'dai
Como vai? - Tek lok sok sabbay chea reu te?
Adeus - Lea Heuy
Com licença - Som toh
Obrigado - Ar kun
Sim - Bat (homens), Chas (mulheres)
Água - Teuk
Arroz - Bay
Peixe - Trey
Frango - Moa
Ovo - Pong
Correio - Kariyalay Praysney
Telefone - Niyeay toursap
Muito bom - Laor na
Quanto custa? - Ponmane pou?
Eu não compreendo - Knhom ot yol te
Qual é o seu nome? - Teu lok chhmou ey?
Você pode me ajudar? - Teu neak ach chuoy khnhom bane reu te?
É este o caminho para..? - Teu niss chea phlauv...mene reu?

Culinária

Arroz, peixe e pão são as três bases da alimentação cambojana. O pão é uma herança francesa dos tempos coloniais. Por sinal, uma ótima herança! Não há nada como saborear uma bela baguette com café preto nos mercados matinais. Os cambojanos, no entanto, tomam sopa no café da manhã; um saboroso caldo de macarrão e legumes.

O Tonle Sap é o maior lago do Camboja, e é também uma maravilhosa fonte de peixes. Eles são servidos defumados, secos, salgados, fritos e como sopas. Um grande favorito local é o peixe Amok - grandes pedaços de peixe servidos ao leite de coco.

A culinária do Camboja não é tão picante quanto a tailandesa, mas é extremamente rica em sabores! Os pratos normalmente são servidos com molho agridoce ou marinados. As barracas que vendem comidas nas ruas e praças são uma ótima opção para uma refeição rápida e barata, mas mesmo nos restaurantes os preços são geralmente bastante convidativos.

O Que Levar?

Artigos que não são facilmente encontrados no Camboja (ou que são muito caros) e devem ser trazidos de casa são os seguintes:

- Produtos de higiene feminina praticamente não existem no país

- Não se esqueça de levar repelentes de mosquitos

- Lanterna

- Tênis e sandálias confortáveis

- Roupas adequadas para o uso em templos (calças ou saias compridas, lenço para cobrir a cabeça)

- Filmes e fitas para foto e vídeo (não costumam ter boa qualidade)

Comunicação

O sistema de comunicação internacional do Camboja ainda está em lento processo de desenvolvimento, isto devido aos anos de isolamento do mundo exterior. O serviços postais também são incrivelmente lentos e irregulares. Ligações internacionais podem ser feitas através do serviço de GPO em Phnom Penh, mas as tarifas são um pouco abusivas.

Horários Comerciais

Os escritórios do governo geralmente funcionam das 7:30 da manhã até as 17:00, com uma pausa para o almoço.. Os bancos abrem as 8:00 e fecham as 15:00 nos dias úteis. Na prática os horários não são seguidos tão à risca, e às vezes é preciso ser paciente. O comércio geralmente funciona das 8:00 às 21:00.

O Camboja está a +10 horas com relação ao Brasil.

 

 
imprimir
voltar